• This site uses cookies. By continuing to use this site, you are agreeing to our use of cookies. Learn more.

Gripe das aves-cuidado

marques 57

Regular Member
Messages
2,682
Likes
0
My Satellite Setup
ASR
My Location
Portugal
#1
Inevitabilidade do surto pandémico obriga a medidas de prevenção


Alexandra Inácio

A partir do fim do mês os médicos receberão planos detalhados de como devem enfrentar uma pandemia de gripe das aves na "fase 6" de propagação difusa. A Direcção-Geral de Saúde vai publicar em livro e na Internet a informação. O objectivo é "facilitar a a preparação dos portugueses", explicou aos jornalistas Francisco George.

A mutação do vírus é inevitável, afirma o director-geral de Saúde. "O problema está descontrolado entre as aves", destaca, resumindo a uma questão de tempo a transmissão aos humanos. "É absolutamente imprevisível", de "seis meses a seis anos", defendeu, insistindo na urgência de preparação das empresas. "O absentismo vai ser o principal problema", alertou, sublinhando que em todos os séculos há pandemias - a gripe espanhola matou 30 a 40 milhões de pessoas entre 1918 e 1920.

Medicamentos controlados

Os medicamentos preventivos, referiu Francisco George, vão passar a ser distribuídos gratuitamente pelos médicos mediante receita electrónica. O novo sistema da DGS pretende evitar que o fármaco seja prescrito mais do que uma vez à mesma pessoa.

"Uma empresa pode parar o país?", questionou o presidente da Cruz Vermelha Portuguesa. Não só é possível como até pode ser fácil, explicou Luís Barbosa, dando o exemplo do controlo de tráfego aéreo. A CVP tem apoiado o grupo Marsh e Mercer a contactar empresas. A multinacional fez um estudo sobre a preparação das empresas portuguesas. Das 2500 contactadas, 77 responderam ao questionário. Principal conclusão apenas 29% têm um plano de contingência.

"A maioria não tem noção da situação gravosa", retorquiu, ao JN, Donato Ramos, coordenador da Área de Emergência da CVP. Em 2006, o clínico contactou mais de 200 empresas. O objectivo é "desdramatizar e sensibilizar", explicou, defendendo como urgente mudar "a cultura de risco". Por exemplo, no caso de uma calamidade, os 500 mil diabéticos e 2,5 milhões de hipertensos não têm medicamentos armazenados.